uma mentira mil vezes repetida

.

Crítica na Alemanha


"Um belíssimo romance (...) uma trama simpática e cheia de humor".

Holger Ehling, Buchkultur

“O narrador constrói, assim, uma grande diversão - e fá-lo de uma forma original, geralmente muito espirituosa e inteligente para o leitor. Uma surpresa cuja leitura se recomenda enfaticamente!"

Literaturkalender

"Uma singular parábola sobre o poder da literatura"

Morgenpost am Sonntag

"Manuel Jorge Marmelo traz na bagagem um romance que parece ser a reminiscência de um enredo de Italo Calvino"

Newe Westfalische

"Divertida e instigante leitura sobre o poder da ficção e da imaginação"

Empfehlung des Borromäusvereins

"É um enorme prazer acompanhar o narrador, que se perde nas suas próprias narrativas e interpretações, e no final nem mais sabe se realmente inventou um romance genial ou se simplesmente a sua fantasia lhe pregou algum truque malvado. (...) Uma divertida e instigante leitura sobre o poder da ficção e da imaginação."

Michael Braun

"‘Uma Mentira Mil Vezes Repetida’ tem uma estrutura surpreendente, um estilo único e um tom picaresco, atravessado pela crítica social e pelo fio vermelho da denúncia do racismo. Divertido de ler e inteligente”

Eva Karnofsky, SWR2

"Um exercício de equilíbrio entre a verdade e a mentira, a ficção e os mundos reais. Um moderno 'Mil e Uma Noites'".

Vorgestellt von Frau Barry

.

Uma Mentira Mil Vezes Repetida vai ter, em Abril de 2015, a sua primeira edição no estrangeiro, mais concretamente na Alemanha, a cargo da A1 Verlag. Já é possível ver aqui como vai ser a capa.

.

Crítica no Diário Digital"Manuel Jorge Marmelo construiu, desta forma, uma narrativa complexa, formada por vários caminhos que se cruzam, originando um interessante labirinto textual."

.

O primeiro capítulo de "Uma Mentira Mil Vezes Repetida" lido pelo seu autor, na biblioteca sonora da Biblioteca Pública Municipal do Porto

.

No programa Agora da RTP2

.


"Uma Mentira Mil Vezes Repetida é um excelente romance, merecedor de um prémio prestigiado (Casino da Póvoa-Correntes d'Escritas); leitura fascinante, repleta de pequenas histórias que revelam a imaginação delirante do autor, num ritmo perfeito, com personagens enigmáticas e muitas boas ideias."
Luís Naves, no blogue Fragmentário

.

Depois do prémio, o livro regressa à Inculta

.




















Já está nas livrarias a segunda edição de Uma Mentira Mil Vezes Repetida

.

Após o prémio, o livro regressa ao autocarro no programa Ler +, Ler Melhor da RTP.

.
















"Uma Mentira Mil Vezes Repetida" vence o Prémio Literário Casino da Póvoa/Correntes d'Escritas.

.

Do blog Andanças Medievais: "É uma ideia genial, já que todos os escritores são fingidores e a celebridade de muitos livros pouco tem a ver com o seu conteúdo. Mas o enredo é apenas isso. Por outro lado, é admirável que Manuel Jorge Marmelo consiga escrever cerca de duzentas páginas à volta desta ideia". Texto completo aqui.

.

O livro está agora também disponível em versão eBook, no site da Bertrand ou na Wook.

.

Nuno Pacheco sobre Uma Mentira Mil Vezes Repetida, na crónica do P2 do Público de 12 de Dezembro de 2012: "É difícil descolar os olhos da história, tal é o labirinto que nela se vai desenrolando."

.

Texto de apresentação de Sara Figueiredo Costa na sessão de apresentação na FNAC do Chiado

"No fim de contas, é uma emboscada grandiosa, e mesmo que Jorge Marmelo não possa gabar-se de prescindir de escrever os livros que quer que os outros leiam, o seu narrador arrisca-se a ser muito bem sucedido nos seus planos de se tornar famoso sem fazer outra coisa que não seja andar de autocarro pelas ruas do Porto."

.

Texto de apresentação de Hélia Correia



"(...)existe neste texto um espantoso processo combustivo, uma espécie de volúpia incendiária que contamina mesmo alguns cenários e que consiste em recolher e misturar num crematório alquímico, toda a espécie de personagens que lhe passem ao alcance: as inventadas e as de carne e osso, que não abrem mão, estas, do real.." Ler mais

.

Recensão e entrevista na edição de Novembro da revista Os Meus Livros



Classificação: 4,5 estrelas (em cinco)

.

Crítica na revista Ler de Novembro

“Um labirinto literário por onde os viajantes, com ou sem livro debaixo do braço, dificilmente conseguem sair”.

.

No Jornal de Letras de 2 de Novembro de 2011

.

No suplemento Q. do DN, sugerido pelo Valter Hugo Mãe


.

Crítica de Helena Vasconcelos no ípsilon de 14 de Outubro



Avaliação: 4 estrelas (em cinco)

.

Crítica no caderno Atual do Expresso e apresentação no LiV do jornal i de 1 de Outubro de 2011



A crítica do José Mário Silva, no Atual, pode ser lida no blogue Bibliotecário de Babel. Classificação: 4 estrelas (em cinco)

.

A primeira crítica: "Manuel Jorge Marmelo assume o pastiche desde a primeira página e com ele ergue uma narrativa poderosa onde os meandros meta-literários são, afinal, uma forma eficaz de pensar a intolerância”.

Sara Figueiredo Costa na Time Out Lisboa de 28 de Setembro de 2011 (classificação: 4 estrelas).

O texto completo pode ser lido no blogue Cadeirão Voltaire).

.

O texto de contracapa:

"Para escapar ao anonimato de uma vida comum, à solidão da escrita e ao esquecimento dos futuros leitores, o narrador de Uma Mentira Mil Vezes Repetida inventou uma obra monumental, um autor – um judeu húngaro com uma vida aventurosa – e uma miríade de personagens e de histórias que narra entusiasticamente a quem ao pé dele se senta nos transportes públicos. Assim vai desfiando as andanças literárias de Marcos Sacatepequez e o seu singular destino, a desgraça do Homem-Zebra de Polvorosa, o caos postal de Granada, a maldição do marinheiro Albrecht e as memórias do velho Afonso Cão, amigo de Cassiano Consciência, advogado e proprietário do único exemplar conhecido de Cidade Conquistada, a obra-prima de Oscar Schidinski. Enquanto o autocarro se aproxima de Cedofeita, ou pára na rua do Bolhão, quem o escuta viaja do Belize a Budapeste, passando pelas Honduras, por estâncias alpinas, por Toulon ou por Lisboa. Mas se o nosso narrador não encontrou a glória - senão por breves momentos e na mente alheada de quem cumpre uma rotina - talvez tenha encontrado o amor. Ou será ele também inventado?"

-------

-------------------------------------------- sobre o autor --------------------------------------------